Início Centros Ambientais Jardim Botânico
 
 
Jardim Botânico do Faial João Melo
ILHA DO FAIAL
Galeria
Ao longo dos últimos séculos, os Jardins Botânicos no mundo inteiro desempenharam funções de importância estratégica, sobretudo no que concerne à aclimatação das espécies Continua...
João Melo - Parque Natural do Faial
João Melo Vídeo
Parque Natural do Faial
Horário e contactos

Ao longo dos últimos séculos, os Jardins Botânicos no mundo inteiro desempenharam funções de importância estratégica, sobretudo no que concerne à aclimatação das espécies de flora para a sua utilização na agricultura e ornamentação. Outro dos objetivos destes espaços no passado recente, prendia-se com a divulgação da biodiversidade do planeta junto das populações. O Jardim Botânico do Faial, fundado a 18 de junho de 1986, é o mais antigo centro ambiental dos Açores, e quando abriu as suas portas ao público, tinha uma área de cerca de 5.600m2 e o principal objetivo de reunir uma coleção de plantas da macaronésia que servissem de base para a conservação e promoção dessa importante biodiversidade. Podemos dizer, que a estratégia deste jardim na conservação da flora da macaronésia foi um passo visionário.

Em 1995, o Jardim Botânico deu outro passo para a conservação da flora dos Açores, através da reabilitação de uma zona de 60.000 m², localizada na freguesia de Pedro Miguel, a 400 m de altitude. Este foi o primeiro projeto de recuperação de um habitat natural nos Açores. Nesta área procedeu-se à recuperação de habitats e espécies características da Laurissilva húmida e super-húmida, possuindo, para além do importante papel de conservação, também um elevado valor paisagístico.

Em 2003 deu-se um novo passo evolutivo na estratégia de conservação  ex-situ  no arquipélago, com a criação do Banco de Sementes dos Açores, cuja finalidade é a recolha e a manutenção de uma coleção de sementes viáveis de todas as espécies Açorianas que sejam possíveis conservar em banco de sementes convencional, garantindo, desta forma o estabelecido no diploma da  Estratégia Global para a Conservação das Plantas 2011-2020, definido em 2010 na X Conferência das Partes para a Convenção sobre a Diversidade Biológica, realizada em Nagoia. Como referido na meta 8 da respetiva Estratégia, o objetivo aponta para a conservação de: “Pelo menos 75% das espécies ameaçadas em coleções ex situ, preferencialmente no país de origem, e de pelo menos 20% disponíveis para programas de recuperação e restauro.” O Banco de Sementes dos Açores, foi selecionado, pela BGCI - Botanic Gardens Conservation International, como um dos casos de estudo sobre conservação de sementes raras num desafio internacional lançado por esta instituição, o Global Seed Conservation Challenge, no ano de 2015.

Em 2007 foi inaugurado o novo centro de visitantes do Jardim Botânico do Faial, estrutura que possui um auditório, uma sala de exposições, uma biblioteca, um bar e onde foi instalado o herbário Ilídio Botelho Gonçalves, estrutura fundamental para a investigação botânica.

No ano de 2011, o Jardim Botânico do Faial é alvo de nova renovação e ampliado em cerca de 2400 m2, com o grande objetivo de melhorar a sua coleção de plantas naturais, através da recriação de sete tipos diferentes de habitats característicos desta região: habitats de calhau rolado, charnecas macaronésicas, habitats de dunas e areias, uma feteira, uma zona de média altitude, uma zona húmida e de turfeira e ainda uma zona com vegetação de altitude, onde dominam essencialmente espécies herbáceas. Com esta ampliação, o Jardim Botânico recebeu no ano de 2012, uma menção honrosa na categoria de “Requalificação de Projeto Público”, atribuída pelo Turismo de Portugal.

Em 2019 o Jardim Botânico é novamente ampliado, passando a ter 15.000m2 (1,5 ha), permitindo ter uma maior área de conservação de espécies e habitats endémicos, com especial foco nos habitats de zonas húmidas. Foi também criada uma zona de culturas tradicionais dos Açores, fez-se a instalação de uma estufa com 900m2, preparada para receber a coleção de orquídeas do sr. Henrique Peixoto, que estava exposta no Jardim Botânico desde 2010, e parte da coleção de orquídeas da família Pekka Ranta. A atual coleção do Orquidário dos Açores é composta por 5.000 orquídeas, com 320 espécies ou híbridos, e 51 géneros, incluindo, como não poderia deixar de ser, as espécies açorianas, com destaque para a orquídea mais rara da europa. Neste projeto também se procedeu à reconversão de um edifício existente, de modo a aumentar as instalações do Banco de Sementes dos Açores, permitindo uma maior e mais eficiente capacidade de conservação.

João Melo
Parque Natural do Faial